Problema ou Oportunidade?

PROBLEMA OU OPORTUNIDADE?

 

Um dos mais sérios problemas da humanidade na atualidade é a crise migratória mundial. Quer seja por motivos de conflitos bélicos, por problemas relacionados a catástrofes naturais ou a crises econômicas, o certo é que todos os dias milhares de pessoas estão sendo obrigadas a abandonarem suas casas e até seus países para buscarem uma chance de sobrevivência em outros lugares. É assim no Oriente Médio, onde milhares de pessoas de várias nacionalidades têm sido alijadas de suas localidades pelos horrores das guerras, na sua maioria indo tentar sobreviver em países europeus, muitos deles hostis à presença de refugiados, e tem sido assim também na América do Sul, que após ter passado recentemente por uma grave crise migratória em decorrência do catastrófico terremoto ocorrido no Haiti em janeiro de 2010, que destroçou ainda mais a já combalida estrutura econômica daquele país, experimenta agora outra grave crise migratória, desta vez envolvendo o povo venezuelano, que foge da terrível escassez provocada pela profunda crise econômica que tem se abatido sobre o seu país nos últimos anos. Têm se tornado muito comuns as imagens das fileiras quilométricas de venezuelanos que quase todos os dias têm cruzado a fronteira com o Brasil, abarrotando as ruas de Boa Vista, capital do estado de Roraima, fronteiriço da República Bolivariana da Venezuela.

Tanto aqui quanto na Europa uma coisa é comum, a perplexidade das autoridades das nações receptoras das grandes levas de imigrantes diante da extensão e gravidade do problema e do desafio de abrigar e prestar assistência mínima a tanta gente. Enquanto muitas nações, mesmo à base de sacrifício, têm buscado acolher e prestar ao menos os cuidados minimamente necessários à sobrevivência dos imigrantes, como é o caso da Alemanha, no contexto europeu e do Brasil, no contexto sul-americano, outras nações, alegando total incapacidade de incluir e assistir a tanta gente, estão optando por fechar totalmente as suas fronteiras, negando abrigo a essas pessoas em estado tão elevado de vulnerabilidade.

O que para os governos e representantes de organismos mundiais tem sido tratado como um dos mais graves problemas da humanidade neste início de século precisa ser visto pela igreja do Senhor como uma das mais ricas oportunidades de cumprimento do Ide de Cristo. Não custa lembrar que grande parte dessas pessoas que hoje se encontram na condição de refugiados em países de todo o mundo, inclusive no Brasil, provém de países totalmente fechados para a pregação do evangelho da Graça e que, portanto, se estivessem em seus países de origem elas dificilmente poderiam ser alcançadas pela obra evangelizadora da igreja. É preciso que a igreja do Senhor abra os seus olhos missionários para essa realidade e que crie e/ou amplie urgentemente a estrutura e as estratégias necessárias para o alcance dessas pessoas com a pregação bíblica, até porque a tendência natural é que no momento em que suas nações voltarem a oferecer as mínimas condições de sobrevivência esses imigrantes, em sua maioria, optarão por retornar aos seus países de origem e assim, se os tivermos ganhado para Cristo, eles voltarão para casa como adoradores do único Deus verdadeiro e como arautos do evangelho de Cristo, para atuarem em contextos muito difíceis de serem alcançados por obreiros não nativos. Portanto, esse que é um dos maiores problemas para os reinos do mundo neste início de milênio é, na realidade, uma providencial e inestimável oportunidade para a expansão do Reino de Deus na terra.

AUTOR: Pastor Mateus Jucar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *