Igreja Local e Missões

Teologia do Chamado em Antioquia

Qui,16/01/2020 por: Pr. Jackson Douglas

Nessa palestra quero começar com uma afirmativa bem usual entre nós:  “Missão” é projeto de Deus. É Ele quem toma a iniciativa de salvar o mundo manchado pelo pecado com o objetivo de estabelecer o seu reino neste mundo e sobre toda a sua criação.

Pr. Jackson Douglas
Pr. Jackson Douglas

Percebe-se que muitos compreendem que a missão é da igreja, como se essa, num sentimento de posse, usasse a Deus para a salvação do mundo. No entanto, sabemos que a missão é de Deus, o qual concede à igreja o privilégio de ser parceira na consecução desse projeto.

Seguindo esse entendimento, podemos afirmar que a missão de Deus tem uma igreja que, segundo David Bosch, passa de remetente para remetida, por estar a serviço de alguém que é maior do que ela. Portanto, a missão de Deus cria e envia a igreja ao mundo, visando à transformação e à salvação do mundo e implantação definitiva de seu reino.

Na missio Dei, o próprio Deus torna a igreja um instrumento privilegiado de sua missão. Para David Bosch, a missão da igreja deverá ser o serviço à missio Dei, ou seja, representar a Deus no mundo e, diante do mundo, apontar para Deus.

Podemos concluir que a missão de Cristo em seu aspecto kerigmático e martírico acontece dentro da nossa história e do nosso mundo. Não fomos criados para fugir deste mundo e do nosso tempo, mas, sim, para redimi-los em Cristo. Ser enviado por Deus é ser enviado para dentro do nosso mundo e da nossa história.

CHAMADOS DO MUNDO PARA CUMPRIR UMA MISSÃO (JOÃO 17.18,19).

Quem é o que chama? Quem foi chamado para essa missão? O que se espera da igreja?

Ao lermos o evangelho de João 17.18,19, podemos extrair inicialmente duas coisas importantes:

A primeira delas é onde a nossa missão tem de ser realizada.

O termo missão vem do latim e significa mandar ou despachar. Diante disso, surge uma pergunta: “a quem (ou para onde) somos mandados?” A resposta é: “ao mundo”. O mundo que refere-se às pessoas, à humanidade, às gentes possuidoras de filosofias, artes e cultura, dentre outras coisas. É nesse mundo étnico-cultural e plural que a missão deve ser realizada. Portanto, existe uma inquietação prevalecente a ser examinada, que é o abandono que o povo evangélico fez da cultura. Sabe-se que o pecado está intrinsecamente ligado a cultura, mas nem tudo que é cultural é pecaminoso. Como a missão da igreja acontece no mundo, os cristãos não devem está afastado de onde ele existe.

O que significa estar no mundo como um cristão? Obviamente que não quer dizer ser como o mundo; nem significa também abandonar as nossas convicções de fé, antes, que devemos conviver e aproximar-nos das pessoas de maneira a influencia-los com o Evangelho.

A segunda coisa que os versículos ressaltam é a respeito do caráter daqueles que realizarão essa missão.

Somos chamados para ser como Cristo no mundo.Temos que assumir a nossa missão assim como Jesus assumiu. Precisamos ser como Aquele a quem estamos representando.

QUEM FOI CHAMADO PARA ESSA MISSÃO?

Você e eu. A tarefa de todo aquele que é Igreja de Jesus Cristo é o de testemunhar aos outros sua própria experiência do amor perdoador revelado na vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. A Igreja do século XXI não deve se esquecer de sua principal tarefa. O Cristo que a igreja reconhece como Senhor é o Senhor de todo o universo, e, é nesta afirmação de seu senhorio universal, que a igreja encontra a base para sua missão (1 Coríntios 9.16-23).

A Missão deve ser realizada para Glória de Deus, em cumprimento do imperativo, antes de se ver a necessidade do mundo.

O que se espera de nós em relação à Missão?

Espera-se que a Igreja continue a missão de evangelizar  o mundo (Mateus 28.18-20; Marcos 16.15; Lucas 22.47,48; João 20.21,22; Atos 1.8). Paulo, a quem Deus constituiu apóstolo, sublinha sua missão, que é evangelizar (Rm 15.16; 1 Co 10.17).

Na verdade, missionário devemos ser todos nós, o chamado é para todos, como citação a seguir: ser missionário é tarefa de alguns, mas fazer missões é tarefa de todos os cristãos. (1 Pedro 2.9,10). O Senhor nos capacita para a missão e devemos viver de maneira digna a vocação que recebemos. (Efésios 4.1-16).

Quem é o que chama ou convoca para a Missão Cristã?

O Deus missionário. O Deus que revelou em Jesus Cristo a Sua obra de redenção para a humanidade. George W. Peters cita Douglas Webster: “Nós começamos, então, onde a missão começa: com Deus”. Ele enviou muitos homens e mulheres com tarefas específicas.

Vejamos alguns exemplos:

  1. Deus enviou José para salvar Israel da fome: “Diante deles enviou um homem, José…” (Sl 105.17);
  2. Deus enviou Ananias a Saulo: “Saulo, irmão, o Senhor me enviou, a saber, o próprio Jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista, e fiques cheio do Espírito Santo” (At 9.17);
  3. Deus enviou o seu próprio Filho para resgatar os pecadores arrependidos (Jo 3.16).
  4. Deus é quem manda trabalhadores para a Sua seara (Lc 10.2; Mt 9.37,38);

Vejamos agora, seguindo o esboço de Betty Bacon, o plano-mestre de Deus para a missão:

  1. Deus o elaborou “antes da fundação do mundo”: “… do cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13.8);
  2. Deus o centralizou em Jesus Cristo: “isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens os seus pecados, e nos confiou a palavra da reconciliação” (2Co 5.19);
  3. Deus leva ao máximo da história mundial: “será pregado este evangelho a todas as nações. Então virá o fim” (Mt 24.14);
  4. Deus toma as iniciativas: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.16,17);
  5. Deus usa instrumentos para executar o Seu plano grandioso:
  6. a) Todas as coisas (Sl 19.1-2);
  7. b) A história e cultura de todos os povos (Am 9.7; At 17.26,27; Ap 21.24);
  8. c) Seu Filho (Jo 3.16,17);
  9. d) Seus servos (1Pe 1.21; Sl 68.11; Mt 21.15,16);
  10. e) Sua Palavra (Jo 17.8; At 6.2; 2Tm 4.2).

QUAL O PAPEL DA IGREJA?

A igreja não pode se esquivar dessa missão, pois ela faz parte da sua essência, da sua razão de existir aqui na terra como povo de Deus que vive para glorificar a Deus e proclamar a sua salvação a todos os povos da terra. “Não é que Deus tenha uma missão para a sua igreja, e sim que ele tem uma igreja para a sua missão”, (Christopher J. H. Wright, “A Missão do Povo de Deus”).

Seu propósito para a igreja, portanto, não pode ser separado de seu propósito para o mundo. A igreja somente é entendida corretamente quando for vista como o sinal do Reino universal de Deus, sendo ela, os primeiros frutos da humanidade redimida.

O sentido exato em que o Reino de Deus veio pode ser visto na história da obra de Jesus, que se desenvolve em seguida ao anúncio do Reino. Nele e por meio dele o Reino de Deus tornou-se uma realidade presente.

Em parte alguma no Novo Testamento, a Igreja é apresentada como o equivalente do Reino de Deus, mas também em nenhuma parte são apresentadas como opostos entre si. A Igreja é a comunidade reunida em volta de Cristo e reunida por Cristo. Ela não é em si mesma o Reino, mas é sua manifestação e forma.

A Missão da Igreja é cumprir a Missão de Deus. A Igreja é também um meio pelo qual Deus leva a efeito Seu propósito missionário. “Não existe nenhuma outra igreja senão a Igreja enviada ao mundo, nem há outra missão a não ser a da Igreja de Cristo” (BLAUW, 1966.).

BIBLIOGRAFIA 

BOSCH, David J. Missão Transformadora: Mudanças de paradigma na teologia da missão. Tradução de Geraldo Korndörfer e Luís Marcos Sander. São Leopoldo/RS: Editora Sinodal, 2002.

Carriker, C. Timóteo. (2005). O Caminho Missionário de Deus, uma teologia bíblica de missões. Brasília, DF: Editora Palavra.

Hoover, Thomas Reginald. (1993). Missões, o Ide Levado a Sério. Rio de Janeiro, RJ: CPAD.

Padilla, C. René. (2009). O Que é Missão Integral? Viçosa, MG: Editora Ultimato.

Peters, George W. (2000). Teologia Bíblica de Missões. Rio de Janeiro, RJ: CPAD.

Pino, Carlos del. (2004). O Evangelho Para O Mundo. Goiânia, GO: Editora Logos.

Piper, John. (2001). Alegrem-se os Povos, A Supremacia de Deus em Missões. São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã.

Queiroz, Edison. (2009). A Igreja Local e Missões. São Paulo, SP: Vida Nova.

Shedd, Russell P. (2003). Missões, Vale a Pena Investir? São Paulo, SP: Shedd Publicações.

Rolar para cima