A ação do Espírito Santo na tarefa missionária

Enquanto comunicava aos seus discípulos a grande comissão, Jesus prometeu o revestimento, a capacitação e a presença constante do Espírito Santo. O divino ajudador teria a missão de capacitar e dirigir a igreja na sua mais nobre tarefa diante do mundo: ser testemunha de Jesus.

Em Atos 1.8 Jesus delineia o seu grande projeto missionário que teria proporção global, multicultural, multilinguístico e multirracial. Este versículo serve também para ensinar a organização textual do livro de Atos dos apóstolos.

O Espírito Santo e o grande mandamento – um plano de redenção (Mc 16.15-20)

O Espírito Santo e a grande comissão – um plano de missão (Mt 28.18-20; Jo 20.21)

A ação do Espírito Santo – Uma necessidade urgente na tarefa missionária da igreja hoje (Lc 24.45-49)

O Espírito Santo é o maior mobilizador da ação missionária da igreja através dos séculos (At 1.8):

  • Ele reveste as testemunhas de Jesus do seu divino poder (At 1.4-8;2.14).
  • Ele dá a visão das dimensões da obra.
  • Ele vocaciona os verdadeiros missionários.
  • Ele capacita os obreiros chamados para a obra missionária.
  • Ele confirma a chamada na vida de homens e mulheres aparentemente incapazes e inadequados para a tarefa.
  • Ele confere autoridade para a pregação do plano da salvação.
  • Ele chancela a ação missionária realizada nos parâmetros bíblicos.
  • Ele ensina as estratégias necessárias para a superação dos desafios.
  • Ele consolida os frutos da ação missionária
  • Ele guia a igreja e a sua liderança na execução da tarefa missionária.

Em cada capítulo do livro de Atos dos Apóstolos, há uma evidente demonstração das operações do Espírito Santo na vida de homens e mulheres que se entregaram ao labor missionário.

Seguindo a direção do Espírito Santo, enquanto empenhava-se nas ações missionárias, no devido tempo, a igreja transferiu o centro de operações missionárias de Jerusalém para Antioquia.

A conversão real dos indivíduos e o momento para o avanço do evangelho são obra do Espírito Santo, em quem confiamos, e não resultados de nossos  planos grandiosos e técnicas inteligentes. (Patrick Johnstone, Perspectivas no movimento cristão mundial, p. 226)

Na história da igreja, houve períodos de esterilidade, épocas em que a vida espiritual esteve em baixa. Então Deus interveio com derramamentos do Espírito Santo, em avivamentos locais, nacionais e até mesmo mundiais:

  • O avivamento de Jerusalém, Atos 2…
  • O avivamento em Antioquia, Atos 11,13…
  • O avivamento em Corinto, 1 Coríntios 2.4-5…
  • O avivamento em Éfeso, Atos 19…
  • O avivamento dos irmãos morávios, Século XVIII (13/08/1727)…
  • O avivamento nos dias de João Wesley…
  • O avivamento missionário através de William Carey (1761-1834) e de Hudson Taylor (1832-1905)…
  • Os avivamentos dos últimos 200 anos na história missionária do povo de Deus:

Estado da Virgínia, EUA (1787); Andrew Murray, na igreja reformada Holandesa na África do Sul (final do século XIX); Evan Roberts, País de Gales, (1904); Rua Azuza (1906);  Assembleia de Deus no Brasil (1911); Universidade Evangélica de Wheaton (EUA); Barvas nas Ilhas Hébridas, Escócia (1950-1954); Igreja dos Zulus, África do sul, (1966); Ilha de Timor, Indonésia (1965); Província de Shaanxi, China Comunista (1993); Coréia do Sul; Igreja dos Povos; Projeto missionário de volta a Jerusalém.

Não fossem os avivamentos, certamente não teriam surgido os movimentos missionários que circularam pelo mundo e levaram a palavra salvadora a milhares de povos e tribos. Os despertamentos espirituais tem derramado combustível sobre as igrejas e denominações para incentivá-las a enviar e manter missionários nos campos prontos para a colheita. (Russel Shedd, Avivamento e Renovação, p.115)

Deus concede através da ação do Espírito Santo, tempos de despertamento, tempos de renovação e tempos de restauração.

Por causa da presença animadora e encorajadora do Espírito Santo nas ações missionárias da igreja, pode-se afirmar que há um tom de restauração, de nova vida e de alegria. É a linguagem da vida, do reavivamento e do crescimento espiritual abundante. Deus conta conosco nesta última hora para a colheita final.

Pr. Rayfran Batista da Silva

Pastor presidente da Assembleia de Deus em Santa Inês, MA. 2º Vice-presidente da CEADEMA – Convenção Estadual das Assembleias de Deus no MA. Diretor do IBPE- Instituto Bíblico Pastor Estêvam Ângelo de Sousa. Pregador, professor de várias matérias teológicas. Pós-graduado em Teologia. Graduado em Filosofia, Letras e História. Autor de 09 livros nas áreas de Bíblia, História, Teologia e Missões.   Contatos: rayfranbatista@gmail.com

Rolar para cima